O Silêncio dos Versos


Escrito por: Carlos Monteiro

Solidão - imagem

Eu escrevo para o silêncio

Pois eu perdi o meu reflexo,

Desperdiçando minha fase vivida…

Para encontrar a imundice descrevida.

 …

Diante de tal, virei o luto do escuro!

Sabendo que possivelmente não sentirei o elegante amor puro,

Pequena criança deixou sua infância

E afundou sua pobre andança…Continue…

… 

Que de tanto andar, um buraco cresceu…

Cada perfurada esquartejou seu coração

É indescritível ver e não ser!

Aprendi a cristalizar a minha lamentação.

 …

As minhas asas perpetuaram no tempo…

O sorriso maquiado se apagou,

A semente sem casca apodreceu

Minha alma sem força se entregou.

 …

A batida do estridente,

Gritou as palavras além do universo

Precisei parar, estagnando, amar não amando…

Para enfim, destruir estes ilusórios versos.

Postagem original: 3 março de 2013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s