Resenha – 2001: Uma Odisseia no Espaço


Escrito por: Sophia Saggezza 

2001 space odyssey

SINOPSE

Desde a “Aurora do Homem” (a pré-história), um misterioso monólito negro parece emitir sinais de outra civilização interferindo no nosso planeta. Quatro milhões de anos depois, no século XXI, uma equipe de astronautas liderados pelo experiente David Bowman (Keir Dullea) e Frank Poole (Gary Lockwood) é enviada à Júpiter para investigar o enigmático monólito na nave Discovery, totalmente controlada pelo computador HAL 9000. Entretanto, no meio da viagem HAL entra em pane e tenta assumir o controle da nave, eliminando um a um os tripulantes.

Resenha do Filme

O filme 2001: Uma Odisseia no Espaço, dirigido, roteirizado e produzido por Stanley Kubrick, foi um dos clássicos já criado, tanto pelo desenvolvimento que o filme foi conduzido, mas também em seus efeitos que na época não era disponível.

O filme inicia na época das cavernas, onde mostra o convívio e a forma de vida dos seres pré-históricos, com seus instintos de sobrevivência. Nesta cena notam-se rivalidades entre os bandos de domínio de espaço, como também o confronto de outras espécies de animais. Quando um grupo de macacos perde seu território, vão para uma caverna se proteger a noite e ao acordarem encontram um monólito posto sem saber por quem ou porque, que os assustam, até que um desses macacos encosta assustado e desconfiado sem saber o que seria.

Logo em seguida um dos macacos encontra ossos e em um momento de pausa pega um dos ossos e percebe que pode quebrar os mais frágeis com ele e para isso pela primeira vez fica ereto como homem. Demonstrando assim uma evolução de sua origem.

6a00d8341bf7f753ef00e5521630d08833-800wi

Seus métodos de caçar alimentos logo foram substituídos pelas armas, os ossos, e para sua reconquista de espaço a violência passou a ser utilizada matando um dos macacos do outro bando o que antes era apenas feito por gritos.

Assim que o macaco joga o osso para cima o diretor faz um corta para uma nave em orbita.

Dentro da nave encontramos um grupo de Russos que estavam tentando tirar informações sobre um boato feito em um local, onde o cientista comparado aos macacos que usava a força bruta ocultou a verdade de uma forma diplomática.

E voltamos para o monólito do inicio que agora se encontrava na lua enterrada, que por suspeita dos cientistas haviam sido seres de outro mundo. O cientista assim como o macaco tocou no monumento com a mesma surpresa, só que ao invés do medo nota-se uma curiosidade no objeto. Ao tentarem tirar uma foto, os homens que ali se encontravam ouviram um ruído muito forte que fora transmitido de Júpiter e para lá resolveram ir.

Nesta viagem já trabalhamos com a inteligência artificial, onde na nave havia os três cientistas hibernavam para se preservar, mais astronautas que se dirigiam para o destino e Hal a inteligência artificial que estava ali com o único propósito de servi ao homem. No entanto, a maquina ao descobrir o real motivo da viagem que fora programada, a saber no meio o percurso, passou a agir de forma que para os humanos não eram aceitos até que, David e Poole os astronautas na nave percebem que Hal estava tendo um erro, e com seus preocupações resolvem desativá-lo.

Hal lendo seus lábios descobre os planos deles e passa ficar contra eles, matando Poole e os cientistas que se encontravam hibernados.

Voltamos ao inicio com a guerra dos macacos só que desta vez é um confronto entre homem, David e maquina Hal.

Vale ressaltar que durante a vivencia na nave os humanos regridem até por não haver gravidade, passam a reaprender a andar, se alimentar com pastas, e líquidos.

Quando David está desativando Hal, ele mostra seu ‘’lado humano’’ que antes foi menosprezado pelo mesmo dizendo que qualquer falha foi pelo homem, que ele não erra, se engrandecendo. Neste momento diz sentir medo, que sua consciência está se esvaindo, que podia sentir.

Logo após desconectar Hal, um vídeo transmitiu uma mensagem revelando para David o real motivo da viagem que era vidas em outros planetas e da mensagem transmitida de Júpiter, junto com o fato de que Hall só saberia dessas informações durante o percurso da viagem.

David vai de encontro a Júpiter quando inicia uma viagem futurística pousando em uma sala de estar toda decorada. Neste momento o diretor faz um jogo de câmeras onde David dentro da pequena nave se olha mais velho fora dela, mas ainda com sua roupa de astronauta, logo em seguida se vê já com outras roupas ainda mais velho tendo sua ultima refeição, que por descuida derruba a taça que quebra ao cair no chão se tornando a uma forma semelhante ao osso da primeira cena com o macaco. Depois se vê na cama em fase terminal ainda mais velho e em frente a cama o monólito reaparece, onde David tenta tocar, mas não consegue tornando ao que parece em um feto dentro de uma bolha como se fosse o útero.

A cena logo é cortada para o planeta terra e depois focada no ser dentro da bolha com seu olhar fixo.

Neste filme nota-se o tempo todo, a evolução do homem e da tecnologia, até que essa tecnologia tenta tomar posse do homem o que acaba por destruí-la restando novamente apenas o ser ali em seu renascimento.

   O Monólito foi um aviso de que algo mudaria ou evoluiria. Como na primeira aparição que logo em seguida o macaco passou a andar e utilizar armas, no segundo momento que surgiu a inteligência artificial e no terceiro e ultimo momento que foi o renascimento do homem, no caso o David que se encontrou dentro do que se parece ser uma bolha.

Portanto, és um filme que providencia um grande confronto…

Parece que quanto mais evoluímos, mais nos matamos, e quando mais evoluímos, mais encontramos a ignorância.

Anúncios