PELAS NOITES DE SÃO PAULO! Voltei a ser quem eu era.


Escrito por: Lucas Alves

10528469_717611338286517_895023165_o

Leia Anteriormente: Pelas Noites de São Paulo! ….. Pelas Noites de São Paulo! – Conhecendo um pouco mais…Pelas noites de São Paulo! Trabalho Noturno…

 

Pelas Noites de São Paulo! 

Voltei a ser quem eu era.

 Acordei às quatro da manhã com a calça aberta e um bilhete.

 Bom dia Richard, foi ótima a nossa noite, espero que tenho gostado, mas não posso ficar.

P.S: peguei um cigarro de maconha na sua bolsa.

Beijos,

Ass. Daria.

 

Levantei-me do chão, peguei meu café e fui direto para o escritório, fechei a matéria e dei o título “A vida na Augusta”. Dando início a uma nova matéria sobre faxineiras sexy e seus dons.

Mandei uma mensagem para meu chefe:

 

Bom dia Cláudio, acabei de te encaminhar no seu e-mail a minha coluna sobre “A vida na Augusta”, espero que goste.

Grato, Richard

Arrumei as minhas coisas e fui para a minha casa ficar com a minha família.

Ao chegar em casa Laura minha esposa me encarou.

— O que deseja? — perguntou furiosa.

— Voltei amor, vou ficar com vocês, consegui terminar a minha matéria e agora posso ficar mais sossegado.

Olhei para ela e a abracei.

— Desculpa. — pedi com os olhos lacrimejando.

Ela me olhou e me puxou para o quarto. Ao chegar ela trancou a porta e ligou o som, e veio em minha direção tirando seu vestido vermelho, ficando só de calcinha, desfilando pelo quarto semi nua com seu corpo escultural, seus cabelos longos e macios, olhos castanhos – claros e sua boca grande e sedutora.

Veio para cima de mim, segurando-me pelos pulsos

— Você quer matar a saudade?

Balancei a cabeça positivamente, encarei seus olhos. Ela veio tirando minha camisa e beijando meu peitoral, descendo lentamente pelo meu corpo, até desabotoar minha calça da ZARA e me deixar só de cueca Box, ela ficara acariciando o volume da minha cueca me dando vontade. Até que abracei ela e comecei a beija-la, descendo lentamente retirando sua calsinha e abaixando a cueca.

— Quero você.  — disse-me arranhando as minhas costas com suas unhas grandes. — Estava morrendo de saudade de ter você aqui comigo.

Olhei para ela e comecei a meter forte, não falei nenhuma palavra metia sem dó, sem amor só com prazer…

Ficamos a tarde toda na cama, quatro vezes seguidas, ela me encarava com um sorriso de canto.

Até que eu recebo uma mensagem no meu celular. Vou olhar, era o Claudio me parabenizando pela matéria. Fiquei feliz, desliguei o celular e voltei para a cama. Comecei acariciar o rosto da Laura e sorrindo.

— Cadê as crianças? — perguntei.

— Estána casa da sua mãe com a nova baba Julia…

Encarei e pensei naquele nome, fiquei bem serio sabia que conhecia, mas não me lembrava de onde… Concordei com a cabeça e abracei ela novamente.

Me levantei e fui pro banho, para ir no escritório ver a nova matéria que estava escrevendo. Mas pensei em tudo que eu tinha feito, será que é isso que eu quero? Como vou mudar isso, não posso deixar a minha família, tenho que me dedicar mais a minha esposa e meus filhos.

Cheguei no prédio da revista e fiquei parado na entrada encarando as pessoas que circulavam ali, avistei a rua Augusta logo ao lado, menos de dois minutos a pé, dei um sorriso canalha, mas feliz por estar onde estou.

— Tenho que me manter firme no emprego e com a minha família. — sussurrei.

Entrei no prédio e fui direto para presidência.

— Olha quem temos aqui. — falou o Cláudio todo sorridente com a minha matéria. — Quero – te dar os parabéns!

Meu coração disparou de animação, minha mão ficou tremula estava suando frio.

— Fico feliz que tenha gostado.

— Quero já até saber qual será a próxima matéria… — argumentou.

— Não se preocupe vai ser ótima.

— Assim espero… — ele apertou a minha mão e me parabenizou novamente. — Qual será a próxima?

— Segredo… — falei olhando pela parede de vidro.

Podia ser um segredo para ele, mas para mim, seria uma aventura…

Anúncios