Minhas cartas são você!


Escrito por: Carlos Monteiro

cartas

Eu vivo uma vida sistemática. Por mais que queira fugir, não há espaços para fugas.

Mergulho minha dor nas mãos daqueles que me cercam… Sou um extrato condensado de agonia. Não tenho mais aquela mensagem de;

“ Oh, Dia feliz ´´

“ Oh, Bom dia, meu amor ´´

Eu fui um sonhador, sonhava com almas, sonhava com amores, sonhava com você!

Não sei exatamente onde errei. Lembro – me apenas de, um dia estar em seus braços e, no outro, evaporando pelos cantos despedaçados de meu coração. Quando me olhei no espelho, envergonhei meus olhos, queria que meus pecados fossem retirados de mim a força, pela bruteza do homem. Sabia que isso não iria acontecer…

Eu sempre acreditei que nossos corpos e almas enriqueceriam juntos, transformando duas vidas em um singelo sentimento. Hoje tenho a certeza que pequei em muitos fatores, não consigo ter mais tempo para amar eu mesmo, estou perseguindo meus pensamentos, quero sair desta prisão mental. Em um momento no passado, fui um poeta. Neste presente, tenho medo das palavras, e neste instante, tenho visões ruins.

Quando abaixo a cabeça e começo a chorar, recordo que eu cantava seu corpo na ponta de meu lápis, e rabiscava nosso amor na folha em branco, regozijávamos ao vivo. Era tão bom, tocar e ser tocado. Amei e reflorescei diariamente com o seu néctar de amor. Acabou. Estou perdendo tudo.

Com uma situação desta, dou muitas risadas. Aliás, comecei a gargalhar. Queria tanto que estivesse aqui comigo. Poderíamos rir juntos. Iríamos dominar o mundo. Seu ser, preferiu – me abandonar. Preferiu desistir. Concluiu em morrer. Sua morte, me matou junto.

Finalizo esta carta.

Finalizo meu amor.

Finalizo minhas palavras…

 

Anúncios