Passos Solitários


Escrito por:Carlos Monteiro

123

Um beijo imortal foi jogado,

Quem és tu, nobre senhor?

Que no fundo, meus sonhos pedem amor

E meus lábios buscam o Anjo sem Asas, querendo ser amado.

Um dia, fui feliz.

Vivi sem pensar na vida; Alguém…

Hoje sou um tirano de mim mesmo; Ninguém…

Minha prece roga e brinca com momentos…

De um palhaço solitário e sem risos,

Oh, Tristeza dos sentimentos!

Algo invadiu meu ego, derrotando a minha caridade

Quem és tu, Um animal?

Pare de devorar meu ser…

Eu transformei minhas derrotas em deidades,

E as minhas lágrimas em uma ventania visceral.

Um dia, um relento, VOCÊ!

Anúncios