A solidão vista da Janela


Escrito por:Carlos Monteiro

solidão

Neste exato momento eu vejo a chuva caindo pela janela.

 

Eu sinto as lágrimas incorrendo com força e dor, destruindo a vela,

Lamento até hoje não ter ido contigo, meu amor de novela.

 

Tenho suas imagens na minha semiconsciência

Onde o barulho dos pingos no chão – me mata por dentro

Um dia você me disse: “Amar é a guerra contra a paciência”.

 

A chuva estás passando…

E eu não acredito mais em você,

Um abandono, uma fraqueza. Não suporto mais sofrer.

 

A infelicidade corroeu minha esperança!

Aniquilou o “para” sempre de uma criança,

Este é o meu segredo.

 

O silêncio tornou-se minha liberdade…

Tudo sangra, e a paz eu exclamo.

A chuva se foi, levando minhas marcas do chão.

 

Anjos do amor matem-me, antes que eu viva de animosidade.

Se eu morresse hoje, entendas que eu te amo.

Somente neste momento, a felicidade perpetuaria meu coração.

Mas a realidade não é assim, infelizmente, da vida eu só conheço a solidão.

 

Anúncios