Vácuo


Escrito por: Sr. Livramento

Crest-Rachel

Densa noite adentrava, rasgando o céu em escuridão pálida. Prateado é o hipnotizante olhar dela, capaz de derrubar o mais alto dos anjos, capaz de roubar a alma do mais forte dos homens. Suas acompanhantes e quase eternas amigas reluziam distantes, fazendo da imensidão um amontoado de obscuro e recortes de brilho.
Quase que me esqueço das horas e deixo Cronos fugir-me ao controle, levando consigo toda a razão de ir e vir. Toda a poesia que só um coração quebrado poderia caçar e alimentar feito um lobo odiento e solitário, maculado como as chagas que crucificaram a carne de um mestre e amigo.

Nunca me prometa amor, meu amor. Sei que és humana e, portanto, falharás em cumprir tuas palavras. Mesmo o doce de teus lábios acabará um dia, como o vento que dissemina o sexo das flores, dentre as flores.

A falta de coração no homem. Cresço distante do centro.

Anúncios