Medo e Emoção! Parte V


Parte V

Ódio

PI20002 (2)

Tempos depois…

— Eu te odeio, seu desgraçado filho da “puta”!

Foi o que ela me disse antes de partir.

O céu estava mudando, mas não conseguia perceber a tempestade se aproximando. Luce estava-me encarando na sacada da suíte que a editora destinou a nós, foi neste momento em que proferiu aquelas palavras… É certo que outras palavras piores surgiram antes e depois daquelas, entretanto não me afetaram. Além do mais, aquela frase resumia tudo, e que ficaria e ecoaria nas paredes antes de deitar.

Jamais imaginei que um dia fosse escutar algo desse tipo vindo de Luce.
Nossa relação era voraz e simbiótica. Ela supria tudo que eu precisava, tanto que eu nunca fui atrás da ninfeta do coletivo para escrever ‘Medo & Emoção’, o romance gráfico que Luce sugeriu que eu o fizesse.
O título também foi inspirado nela. Porém a equipe editorial achou-o muito curto e simplório e o subtítulo “10 anos e uma noite com Luce” foi criado. A editora lucrava rios de dinheiro com as premiações e as vendas que meu romance conseguia.
Agora me lembro…
Fazíamos amor a todo instante e passávamos quase todo o tempo nos comunicando, namoramos por 6 anos antes de pedi-la em casamento no primeiro Eisner Awards que venci.

— Eu te odeio, seu desgraçado filho da “puta”.

Quando regressei à minha casa havia percebido que meu ser era completamente vazio sem ela, quase tudo que lá estava pertencia a Luce e que em questão de dias sumiriam de lá. Sentei-me no chão com certo custo, e retirei os sapatos, enquanto fazia isso via que em cada canto lembrava ela.

E foi nessa hora, que fiz algo impensável na minha juventude.
Chorei… A cada lágrima que despencava de meus olhos traziam reminiscências destes 20 anos de convívio…E para quê?!
Para nada. Quando finalmente acreditei que tinha encontrado a pessoa certa, sou novamente abandonado.

Tudo o que eu queria era só entender, saber o que fazer nesta situação.
Se a vida é um livro a ser escrito, então o miserável que está escrevendo a minha história adormeceu, e não percebeu que algumas páginas voaram pela janela.

Os dias se passaram sem que eu percebesse, meu apetite me abandonara, meus olhos estavam cansados e a figura refletida no espelho estava longe de ser semelhante ao que eu era, pois estava morto por dentro e apodrecendo por fora, até eu ouvir a porta sendo maculada pelas lentas e brutas batidas do porteiro, com um pouco de irritação fui atendê-lo e peguei a epístola que me fora endereçada.

Tirei uma nota de dez reais para dá-lo como ‘agradecimento’ pelo serviço prestado.
Minha primeira ação foi tirá-la fora, mas ao passar os meus olhos de relance no envelope reconheci a caligrafia.

Para a minha surpresa era de Luce….

Contínua…

Não leu a primeira parte, então, leia agora: https://regozijodoamor.wordpress.com/2012/10/10/medo-e-emocao/

Não leu a segunda parte, então, leia agora:https://regozijodoamor.wordpress.com/2012/10/17/medo-e-emocao-parte-ii/

Não leu a terceira parte, então, leia agora:https://regozijodoamor.wordpress.com/2012/11/07/medo-e-emocao-parte-iii/

Não leu a quarta parte, então, leia agora: https://regozijodoamor.wordpress.com/2012/11/22/medo-e-emocao-parte-iv/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s